quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Com esta equipa de inicio, e Otamendi na defesa o Barça levava uma pinga. :)

Caros portistas, com esta equipa a jogar assim a música já é outra, isto sim é um Porto a jogar á Porto e não vou ser de rodeios falo do expresso número de golos e no bom futebol que foi praticado, tudo bem que houve algumas falhas no aspecto defensivo mas nada que não se resolve, já estamos acostumados parece que de vez em quando, adormecem na defesa mas o mister abre-lhes os olhos principalmente ao Maicon, não é com golos que deves mostrar o teu valor embora logo que tenhas oportunidade para o fazer o faças e bem aproveitando essa altura ao menos, mas deves concentrar-te ao máximo e não complicar nessa defesa joga fácil sé prático, não é bonito mas é eficaz, vê uns videos antigos do Aloísio, do Fernando Couto ou do Bicho vais aprender umas coisas, com um cabedal desses porra bem adiante.



Como consolação tivemos o James na esquerda e Hulk na direita que começaram a fazer estragos na defesa do Leiria, ainda tentaram jogar com o Porto taco a taco mas era muita areia para as suas camionetas. E depois tenho que o dizer e falar do miúdo Kléber que também evoluiu algo fazendo a sua estreia a marcar com a camisola do FCP, para mim arrisco-me a dizer que para já foi o melhor jogo que ele fez desde que veste as nossas cores, atacou de frente para a baliza, rematou, marcou golos o miúdo hoje esteve bem o que é para se dizer é, mas ainda não é bestial está no bom caminho. Ao contrário do que o jogo demonstrava o FCP aos 28’ minutos João Moutinho, transformou uma situação complicada para a baliza de Helton num contra-ataque perigoso e desmarcou James Rodríguez na esquerda, Frente a Gottardi, o colombiano rematou cruzado e colocado e faz 0-1. Manuel Curto arriscou fintar no seu meio-campo perdeu a bola para Belluschi, que serviu Kléber para o 0-2 um excelente passe que o miúdo aproveitou. Na 2ª parte o Leiria fez o 1-2 num remate que Maicon desvia e traiu Helton. Depois mais uma situação caricata um apagão o jogo parou 10 minutos, o que vale já estamos habituados e parece que quando existem é chapa 5 que costumamos dar e assim foi está escrito é o nosso destino. Após o reatar da partida James Rodríguez beneficiou novamente de muito espaço e fez o 1-3, com mais um remate cruzado e rasteiro. Já sem Hulk que saiu lesionado e aqui fica a nossa admiração por o empenho deste profissional outros deveriam seguir este exemplo, que nem passadas 24h após ter jogado por a sua selecção esteve a defender com a vontade que lhe é conhecida as cores do clube que honra e representa. O FC Porto elevou para 1-4 aos 73’ minutos, por Kléber, após boa combinação entre James Rodríguez e Álvaro Pereira. Aos 77’ minutos na sequência de um canto e facilitando novamente Maicon permitiu que o Leiria fizesse o 2-4, mas logo com imediata resposta o mister fez entrar o belga Defour, que se estreou pelo FCP com uma assistência, e ofereceu o quinto a Varela. Uma nota para o relvado que parecia um campo de batatas mas como a qualidade dos nossos jogadores é tão elevada, não se notou qualquer tipo de falhas principalmente na finalização.

2 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia amigo Ultra,

Excelente vitória do nosso Porto. Grande exibição de James. Ontem tivemos um meio campo que funcionou e James trouxe velocidade ao ataque.

O triângulo de meio campo constituído por Fernando, Moutinho e Belluschi deu frutos. Com Fernando na equipa podemos libertar Moutinho para o transporte e construção de jogo, e corrigir um facto que tem condicionado o rendimento de Kléber, que é a falta de um homem nas suas costas a apoiar e a aproveitar os espaços por ele criados. Belluschi a jogar nas costas de Kléber, aproveita os espaços criados por Kléber, e daí resultam lances de perigo.

Grande jogo também de Belluschi e Kléber bem melhor, com um jogador no apoio. Fernando ganhou novamente o lugar.

O relvado estava uma vergonha.

Fantástico o apoio dos nossos adeptos à equipa.

Abraço

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com/

P.S

Última Hora:
Pedro Caixinha, afirmou que para além dos jogadores o SL Bosta emprestou também o electricista responsável pelo apagão!

Dragaopentacampeao disse...

A ausência de alguns internacionais não impediu que os Campeões nacionais escalonassem um onze forte, competente e eficaz. O plantel dispõe de óptimas soluções. Álvaro Pereira reapareceu a titular, tal como Fernando, Belluschi e James Rodríguez. E até Hulk, que jogara no dia anterior pelo Brasil, foi também titular.

O treinador do União de Leiria, apresentou um esquema de futebol no campo todo, com especial atrevimento ofensivo, como eu gostava aliás, que todas as equipas assumissem.

Resultado, uma goleada. Nem foi necessário ao FC Porto apresentar um futebol de grande gabarito. Limitou-se a marcar um ritmo intermitente, ora acelerando espalhando o pânico ou marcando golos, ora acalmando o jogo permitindo-se a devaneios que lhe haviam de custar dois golos muito consentidos.

James Rodríguez foi a estrela mais cintilante da constelação azul e branca onde brilhou também Belluschi. O colombiano mostrou-se muito inspirado e com pontaria afinada. Jogou, fez jogar, marcou e assistiu para golo. Já o argentino emprestou criatividade, foi importante na pressão alta, conseguindo ganhar dessa forma o lance que haveria de resultar no primeiro golo de Kléber. E por falar em golos, todos eles foram conseguidos de bola corrida, quiçá para calar determinadas vozes que empolavam o facto de o FC Porto só ter marcado, até hoje, de bola parada! CINCO num só jogo, isto talvez vos remeta para um determinado jogo da época passada.

Referência muito especial para a disponibilidade de Hulk, que apesar de desgastado mostrou-se sempre dinâmico, empreendedor e perigoso. Saiu logo a seguir ao «apagão» de que o Estádio Municipal da Marinha Grande foi acometido, queixando-se de um toque no joelho. Destaque também para os dois golos de Kléber, importantes sobretudo para a moralização e aumento da confiança de que o atleta vinha necessitando.

Um abraço