quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

TAÇA DA LIGA - MEIA FINAL




FC Porto 1 - Académica 0
Em primeiro lugar quero dar os parabéns a esta Académica que foi briosa, com uma grande postura em campo, sem dúvida um adversário muito digno, e que causou alguns calafrios á equipa portista. Ao contrário do que disse o seu treinador André Vilas Boas, durante a semana na comunicação social, não chegou a colocar os ditos «autocarros» na sua defesa, bem pelo contrário atacou, e não foi pouco. A Académica entrou melhor no jogo, mais atrevida, usando principalmente o seu contra-ataque para chegar à baliza portista. E o mister Vilas Boas, que não fale apenas no penalty que ficou por marcar, pois também o FC Porto marcou um golo que foi mal anulado, e como se diz na gíria estamos quites. Gostei de ver Nuno a defender na baliza portista, teve em noite sim, chegando a fazer umas espectaculares defesas. Não gostei de Orlando Sá, não fez uso da sua altura e da sua estatura, para furar a resistente defesa da Académica, hoje esteve irreconhecível. Aos 13' minutos Valeri bate um livre, e Bruno Alves atira para dentro das redes da Académica, porém, o árbitro assinala fora-de-jogo e invalida o golo. Até ao fim dos 45’minutos, o FC Porto falhou muitos passes e permitiu muitos contra-ataques dos 'estudantes'. Jesualdo Ferreira tinha que mexer na equipa e assim o fez, na segunda parte entra Varela para o lugar de Beluschi, fazendo com que o FC Porto entra-se mais agressivamente nesta segunda parte. Aos 59’ minutos houve uma contrariedade no jogo, Bruno Alves é substituído por Maicon derivado a ter que ser assistido no joelho esquerdo. Mariano fica com a braçadeira de capitão e transfigura-se, como despertando e fazendo despertar os companheiros, para que resolvessem o quanto antes, a história desta meia-final. Jesualdo Ferreira aos 64’ minutos ainda fez sair Valeri e entrar Rúben Micael, finalizando assim as substituições, e sem dúvida que acertou em cheio ao colocar estes «três mosqueteiros» que ajudaram imenso na evolução do jogo com mais velocidade e mais ritmo, dificultando mais a vida à Académica. Ao 82’ minutos surgiu o golo de Mariano remata de pé esquerdo ao canto direito das redes da Académica e a bola entra na baliza, Ricardo não tinha hipótese de defesa deste remate marcado de fora da área. Consideramos que o pior jogador foi Guarín, efectuou alguns remates sem nexo, a defender podia ter causado um penalty sem necessidade, muitos passes falhados, esteve irreconhecível. Mas conclusão, o objectivo foi alcançado, estamos pela 1ª vez na final da Taça da Liga com um adversário aceitável, venha daí o dia 20 de Março, Algarve aqui vamos nós.


1 comentário:

Dragaopentacampeao disse...

Considero que o FC Porto acabou por ser feliz, tendo em conta naturalmente, o facto de mais uma vez, ter lutado não só contra um valoroso e aguerrido adversário, mas também contra as arbitrariedades da equipa da Apaf.

O jogo teve duas fases distintas, a antes de Rúben e a depois de Ruben.

Na primeira fase poucas foram as exibições positivas, depois quase todos cresceram.

Até o Mariano, jogador que decididamente não me cai no goto, explodiu e marcou um belíssimo golo.

Acho que o segredo está na braçadeira! Já havia sido assim no jogo da Taça de Portugal, onde também fez um golo portentoso.

Ontem quando recebeu a braçadeira de capitão, transformou-se num jogador de futebol!

Sr. Professor, que Mariano seja sempre o capitão!

Um abraço